Homenagem à Vargas Pita

 

 

Quando encontramos a felicidade ?
Quando descobrimos o nosso caminho de vida.

  

Professor Vargas Pita foi psicólogo e consultor de empresas na área de recursos humanos.

 

Vargas preocupou-se em implantar uma responsabilidade social dentro das organizações empresariais.
Uma nova visão - a de que o homem é o centro de qualquer empreendimento - começou a imperar segundo seus aconselhamentos.
Ele criou uma nova metodologia de processo educacional -
o Laboratório Atitudinal,
que procura mudar a postura, a atitude do homem diante da vida.

 

 

 


"O primeiro dever é produzir a felicidade. O homem é o centro de todo e qualquer empreendimento. Logo, ele deve ser feliz para que a empresa seja grande".

Responsabilidade X Liberdade
acarretando limites que precisam ser manejados
E quando se percebe esse tipo de coisa não só nos sentimos mais felizes, como também levamos às pessoas ao nosso redor um pouco mais de felicidade.

Importante:

Há que se respeitar
- os limites - a capacidade - os interesses
- o desenvolvimento de cada pessoa.

E mais importante ... respeitar o chamado Tempo Interior.

Cada um de nós tem um reloginho interno, cujo tempo é diferente dos relógios externos que marcam a mesma hora para todos.

" Respeito ao tempo de cada um ".

O ser humano precisa ser repensado. " A idéia de que o homem é o " Rei dos Animais ", parece que tudo a sua volta está a sua disposição, isso precisa ser mudado ".

Precisamos recuperar alguns valores do passado, que foram esquecidos - com a sociabilidade do mundo.

Povos da antigüidade - Tiveram um tempo fantástico,
quando todos os seres viviam
em harmonia.
A volta a essa harmonia é possível.

Harmonia - não significa ausência de luta ou até de discórdia, significa sobretudo respeito.

" O jovem de hoje é intrinsecamente honesto " .
Nós adultos fazemos um esforço para ser honesto.

Muito adulto diz que a qualidade principal de uma pessoa é a honestidade; o jovem não considera isso uma qualidade: ele é honesto naturalmente.

" O futuro do homem - dizia Vargas - é uma coisa bonita e eu tenho confiança nele. Estamos passando por uma crise, é certo, mas é uma crise de transformação. Alguns dos valores que a sociedade ocidental perseguiu por tanto tempo estão caindo e as pessoas ficam apavoradas com isso. Entretanto, outros valores estão emergindo muito fortemente. As crianças de hoje, por exemplo, têm uma visão do mundo muito melhor do que a minha"

O Vargas foi o meu melhor amigo. Ele nos deixou de repente em maio de 97. A saudade que eu sinto dele não tem tamanho.

Conhecer alguém que nos ensina a encontrar o caminho da felicidade na vida é, realmente, um sonho realizado.

 

Regina Maura